Esqueleto humano: nomes dos ossos, funções e divisões

Artigos relacionados

O esqueleto humano, o esqueleto interno que serve de estrutura para o corpo. Esta estrutura consiste em muitos ossos e cartilagens individuais. Há também faixas de tecido conjuntivo fibroso – os ligamentos e os tendões – em íntima relação com as partes do esqueleto. Este artigo diz respeito principalmente à estrutura bruta e à função do esqueleto do adulto humano normal.

Esqueleto humano com os nomes dos ossos
Esqueleto humano com os nomes dos ossos

O esqueleto humano, como o de outros vertebrados, consiste em duas subdivisões principais, cada uma com origens distintas das outras e cada uma apresentando certas características individuais. São elas (1) a axial, compreendendo a coluna vertebral – o spin – e grande parte do crânio, e (2) a apendicular, à qual pertencem as cintas pélvicas (quadril) e peitorais (ombro) e os ossos e cartilagens dos membros. Discutido neste artigo como parte do esqueleto axial é uma terceira subdivisão, a visceral, que compreende o maxilar inferior, alguns elementos do maxilar superior e os arcos branquiais, incluindo o osso hióide.

Quando se considera a relação destas subdivisões do esqueleto com as partes moles do corpo humano – tais como o sistema nervoso, o sistema digestivo, o sistema respiratório, o sistema cardiovascular e os músculos voluntários do sistema muscular – fica claro que as funções do esqueleto são de três tipos diferentes: suporte, proteção e movimento. Dessas funções, o suporte é o mais primitivo e o mais antigo; da mesma forma, a parte axial do esqueleto foi a primeira a evoluir. A coluna vertebral, correspondente ao notocorda nos organismos inferiores, é o principal suporte do tronco.

O sistema nervoso central encontra-se em grande parte dentro do esqueleto axial, sendo o cérebro bem protegido pelo crânio e a medula espinhal pela coluna vertebral, por meio dos arcos neurais ósseos (os arcos de osso que circundam a medula espinhal) e os ligamentos intervenientes.

Uma característica distintiva dos humanos em comparação com outros mamíferos é a postura ereta. O corpo humano é, em certa medida, como uma torre de caminhada que se move sobre pilares, representados pelas pernas. Tremendas vantagens foram obtidas com esta postura ereta, a principal das quais tem sido a liberação dos braços para uma grande variedade de usos. No entanto, a postura ereta criou uma série de problemas mecânicos – em particular, o suporte de peso. Estes problemas tiveram que ser enfrentados por meio de adaptações do sistema esquelético.

A proteção do coração, pulmões e outros órgãos e estruturas no peito cria um problema um pouco diferente daquele do sistema nervoso central. Esses órgãos, cuja função envolve movimento, expansão e contração, devem ter uma cobertura protetora flexível e elástica. Tal cobertura é fornecida pela cesta torácica óssea, ou caixa torácica, que forma o esqueleto da parede do tórax, ou tórax. A conexão das costelas ao esterno do esterno é, em todos os casos, secundária, provocada pelas cartilagens relativamente maleáveis das costelas (costelas costais). As pequenas articulações entre as costelas e as vértebras permitem um movimento de deslizamento das costelas sobre as vértebras durante a respiração e outras atividades. O movimento é limitado pelas ligações ligamentares entre as costelas e as vértebras.

A terceira função geral do esqueleto é a do movimento. A grande maioria dos músculos esqueléticos está firmemente ancorada ao esqueleto, geralmente a pelo menos dois ossos e, em alguns casos, a muitos ossos. Assim, os movimentos do corpo e de suas partes, desde o lunge do jogador de futebol até as delicadas manipulações de um artista artesanal ou do uso de instrumentos complicados por um cientista, são possíveis através de arranjos de engenharia separados e individuais entre músculo e osso.

Neste artigo, as partes do esqueleto são descritas em termos de sua participação nestas funções. Os distúrbios e lesões que podem afetar o esqueleto humano são descritos no artigo doença óssea.

Esqueleto axial e visceral

O crânio

O crânio – a parte do crânio que encerra o cérebro – é às vezes chamada de braincase, mas sua relação íntima com os órgãos dos sentidos para a visão, som, cheiro e sabor e com outras estruturas torna tal designação um tanto enganosa.

Crânio humano: visão frontal e lateral
Crânio humano: visão frontal e lateral

Desenvolvimento de ossos do crânio

O crânio é formado por ossos de dois tipos diferentes de origem de desenvolvimento – ossos cartilaginosos, ou de substituição, que substituem as cartilagens pré-formadas na forma geral do osso; e ossos de membrana, que são depositados dentro de camadas de tecido conjuntivo. Em sua maioria, os ossos de substituição formam o piso do crânio, enquanto os ossos de membrana formam os lados e o teto.

A gama na capacidade da cavidade craniana é ampla, mas não é diretamente proporcional ao tamanho do crânio, pois há variações também na espessura dos ossos e no tamanho das bolsas de ar, ou seios nasais. A cavidade craniana tem um piso áspero e irregular, mas seus pontos de referência e detalhes de estrutura geralmente são consistentes de um crânio para outro.

O crânio forma toda a parte superior do crânio, com os ossos da face situados abaixo de sua parte dianteira. Consiste em relativamente poucos ossos grandes, o osso frontal, o osso esfenoidal, dois ossos temporais, dois ossos parietais, e o osso occipital. O osso frontal está por baixo da região da testa e se estende para trás até a sutura coronal, uma linha de arco que separa o osso frontal dos dois ossos parietais, nos lados do crânio. Na frente, o osso frontal forma uma articulação com os dois pequenos ossos da ponte do nariz e com o osso zigomático (que faz parte do osso da face; veja abaixo Os ossos faciais e suas funções complexas), a esfenoide, e os ossos maxilares. Entre os ossos nasais e zigomáticos, a porção horizontal do osso frontal se estende para trás para formar uma parte do teto da órbita do olho, ou órbita; assim, serve uma importante função protetora para o olho e suas estruturas acessórias.

Cada osso parietal tem um contorno geralmente em quatro lados. Juntos eles formam uma grande porção das paredes laterais do crânio. Cada um contíguo ao frontal, ao esfenoidal, ao temporal e aos ossos occipitais e seu companheiro do lado oposto. São ossos quase exclusivamente cranianos, tendo menos relação com outras estruturas que os outros ossos que ajudam a formar o crânio.

Interior do crânio

O interior do crânio mostra uma multiplicidade de detalhes, refletindo as formas das estruturas mais macias que estão em contato com os ossos.

A superfície interna do cofre é relativamente descomplicada. Na linha média da frente para trás, ao longo da sutura sagital, a costura entre os dois ossos parietais, é uma depressão rasa – a ranhura para o seio venoso longitudinal superior, um grande canal para sangue venoso. Uma série de depressões em ambos os lados marca os locais dos corpos pacquionianos, estruturas que permitem ao sistema venoso absorver o líquido cefalorraquidiano. Os grandes seios venosos de parede fina encontram-se todos dentro da cavidade craniana. Enquanto estão assim protegidos pelo crânio, em muitos lugares estão tão próximos sob os ossos que uma fratura ou uma ferida penetrante pode rasgar a parede do seio e levar a sangramento. O sangue freqüentemente fica preso sob a cobertura cerebral mais externa e resistente, a dura-máter, em uma massa chamada hematoma subdural.

Marcas visíveis na superfície interna da projeção da esfenóide, chamada de asa maior, e nas superfícies internas dos ossos parietais e temporais são formadas pela artéria meníngea média e seus ramos, que fornecem sangue para os revestimentos cerebrais. A lesão desses vasos pode levar a hematoma extradural, uma massa de sangue entre a dura-máter e o osso.

Ao contrário da abóbada e dos lados do crânio, a base apresenta um aspecto extremamente complicado. Ela é dividida em três grandes depressões, ou fossas, em um arranjo descendente de escadas, da frente para trás. As fossas são divididas estritamente de acordo com as bordas dos ossos do crânio, mas estão relacionadas às porções principais do cérebro. A fossa craniana anterior serve como cama onde repousam os lobos frontais do cérebro, a grande parte frontal do cérebro. A fossa craniana média, nitidamente dividida em duas metades laterais por uma eminência central de osso, contém os lobos temporais do cérebro. A fossa craniana posterior serve de cama para os hemisférios do cerebelo (uma massa de tecido cerebral atrás do tronco cerebral e abaixo da porção posterior do cérebro) e para a porção anterior e média do tronco cerebral. As porções principais do cérebro são, portanto, parcialmente envolvidas pelos ossos da parede craniana.

Há aberturas nas três fossas para a passagem de nervos e vasos sanguíneos, e as marcações na superfície interna dos ossos são provenientes das fixações dos revestimentos cerebrais – meninges e seios venosos e outros vasos sanguíneos.

A fossa craniana anterior mostra uma projeção em forma de crista na linha média, a crista galli (“crista do galo”). Este é um local de fixação firme para a falx cerebri, uma subdivisão da dura-máter que separa os hemisférios cerebrais direito e esquerdo. De cada lado da crista está a placa cribriforme (perfurada com pequenos furos) do osso etmoidal, um osso da linha média importante como parte tanto do crânio quanto do nariz. Através das perfurações da placa correm muitas divisões do olfato, ou primeiro nervo craniano, vindo da membrana mucosa do nariz. Nas laterais da placa estão as placas orbitais do osso frontal, que formam os telhados das órbitas dos olhos. Suas superfícies internas são relativamente lisas, mas apresentam uma série de irregularidades mais evidentes ao toque do que à visão. Estas irregularidades marcam a fixação da dura-máter ao osso.

A parte posterior da fossa craniana anterior é formada por aquelas porções do osso esfenoidal chamadas de seu corpo e asas inferiores. As projeções das asas menores, os processos clinoides anteriores (tipo cama), se estendem de volta a um ponto ao lado de cada forame óptico, uma abertura através da qual importantes nervos ópticos, ou tratos, entram na proteção da cavidade craniana após um curso relativamente curto dentro da órbita do olho.

A eminência central da fossa craniana média é especializada como assento de sela para a glândula pituitária. A parte posterior deste assento, ou sella turcica (“sela do Turk”), é na verdade semelhante a uma parede e é chamada de sella dorsum. A glândula pituitária está assim situada em quase o centro da cavidade craniana. Ela é coberta também pelas coberturas cerebrais e não tem conexão com o exterior do crânio, exceto pelos vasos sanguíneos.

As porções laterais profundas da fossa craniana média contêm os lobos temporais do cérebro. Na parte dianteira da fossa estão duas aberturas: a fissura orbital superior, que se abre na cavidade ocular; e o foramen rotundum, para a passagem do nervo maxilar, que serve a mandíbula superior e estruturas adjacentes. Mais para trás estão o forame oval, uma abertura para o nervo mandibular até a mandíbula inferior, e o forame espinhal, para a artéria meníngea média, que traz sangue para a dura-máter.

Também na fossa média, perto do ápice daquela parte do osso temporal chamada osso temporal petrous (pedregoso), está a abertura denteada chamada foien lacerum. A parte inferior do forame lacerum é bloqueada pela fibrocartilagem, mas através de sua parte superior passa pela artéria carótida interna, rodeada por uma rede de nervos autonômicos, enquanto se dirige para o interior da cavidade craniana.

As delicadas estruturas do ouvido interno não são confiadas à cavidade craniana como tal, mas se encontram dentro da porção petrosa do osso temporal em um labirinto ósseo, no qual o labirinto de paredes finas, com suas áreas de células sensoriais, está mais ou menos precisamente encaixado, mas com um espaço adequado para fluido protetor, a perilinfa, entre o osso e a membrana.

A fossa craniana posterior está acima da coluna vertebral e dos músculos da parte posterior do pescoço. O forame magnum, a abertura através da qual o cérebro e a medula espinhal fazem a conexão, está na parte mais baixa da fossa. Entre sua margem dianteira e a base da sella do dorso é uma superfície ampla, lisa e óssea chamada clivus (latim para “colina”). As pontes e a medula oblonga em forma de pirâmide do tronco cerebral estão sobre o clivus e são separadas do osso somente por suas coberturas. Perto do forame magnum existem cristas para fixação das dobras da dura-máter.

Nos lados da fossa craniana posterior há dois sulcos transversais, cada um dos quais, em parte de seu curso, é separado por um osso extremamente fino das células de ar mastoidais na parte de trás da orelha. Através de outras aberturas, os foramina jugular, passam os grandes canais de sangue chamados seios sinusais sigmóides e também o 9º (glossofaríngeo), 10º (vagus), e 11º (acessório espinhal) nervos cranianos ao saírem da cavidade craniana.

Os vasos, assim como os nervos cranianos, estão sujeitos a lesões nas aberturas para dentro ou para fora da cavidade craniana e em áreas especiais, como próximo às células de ar da mastoide. Neste último local, a mastoidite pode levar à ruptura de osso suficiente para permitir que organismos portadores de doenças alcancem as outras estruturas dentro da cavidade craniana.

O hióide: exemplo da função de ancoragem

A função principal do osso hióide é servir como uma estrutura de ancoragem para a língua. O osso está situado na raiz da língua na parte frontal do pescoço e entre a mandíbula inferior e a maior cartilagem da laringe, ou caixa de voz. Ele não tem articulação com outros ossos e, portanto, tem uma função puramente de ancoragem.

2. ESQUELETO DO PESCOÇO Vértebras Cervicais Osso hióide

O hióide consiste de um corpo, um par de chifres maiores, chamados de cornua maior, e um par de chifres menores, chamados de cornua menor. O osso tem mais ou menos a forma de um U, com o corpo formando a parte central, ou base, da letra. No ato da deglutição, o osso hióide, a língua e a laringe se movem rapidamente para cima.

Os cornua maiores são os membros do U. Suas extremidades externas geralmente são sobrepostas pelos grandes músculos esternocleidomastoidais. Os cornua menores são pequenas projeções dos lugares chamados, um pouco arbitrariamente, as junções do corpo e o cornua maior. O osso hióide tem certos músculos da língua presos a ele. Os músculos hioglossus originam-se de cada lado de todo o comprimento do cornua maior e também do corpo do hióide. Eles são inseridos na metade posterior ou mais dos lados da língua. O osso hióide os ancora quando eles se contraem para deprimir a língua e alargar a cavidade bucal. Os dois músculos genio-hioides originam-se perto do ponto em que as duas metades do maxilar inferior se encontram; as fibras dos músculos se estendem para baixo e para trás, perto da linha central, para serem inseridas no corpo do osso hióide. A contração dos músculos puxa o osso hióide para cima e para frente.

Inserindo na parte média da borda inferior do osso hióide estão os esternoides, músculos longos que surgem do esterno e da clavícula e correm para cima e um em direção ao outro no pescoço.

Outros músculos ligados ao osso hióide são os dois músculos mio-hio-hioidóides, que formam uma espécie de diafragma para o assoalho da boca; o tiro-hioidóide, decorrente da cartilagem tireoidiana, a maior cartilagem da laringe; e o omo-hioidóide, que se origina da margem superior da omoplata e de um ligamento, o ligamento supra-escapular.

A posição do osso hióide em relação aos músculos a ele ligados tem sido comparada à de um navio que cavalga quando ancorado “para frente e para trás”. Através dos apegos musculares, o hióide tem um papel importante na mastigação, na deglutição e na produção da voz.

No início de um movimento de deglutição, os músculos genio-hio-hioides e mio-hioides elevam o osso e o assoalho da boca simultaneamente. Estes músculos são assistidos pelos músculos estilohióide e digástrico. A língua é pressionada para cima contra o palato, e o alimento é forçado para trás.

Os ossos faciais e suas complexas funções

As mandíbulas superiores

A maior parte do esqueleto do rosto é formada pelo maxilae. Embora sejam chamados de maxilares superiores, a extensão e funções dos maxilares incluem muito mais do que servir como complementos do maxilar inferior, ou mandíbula. Elas formam a porção média e inferior da órbita do olho. Eles têm a abertura para o nariz entre eles, sob as bordas inferiores dos pequenos ossos nasais. Uma projeção acentuada, a espinha nasal anterior, é formada por eles no centro da margem inferior da abertura para o nariz, a abertura nasal.

O forame infra-orbital, uma abertura no chão da órbita do olho, é a extremidade dianteira de um canal através do qual passa o ramo infra-orbital do nervo maxilar, a segunda divisão do quinto nervo craniano. Ela fica ligeiramente abaixo da margem inferior da órbita.

A margem alveolar, contendo os alvéolos, ou encaixes, nos quais todos os dentes superiores estão encaixados, forma a parte inferior de cada maxila, enquanto uma projeção lateral de cada um forma o processo zigomático, formando uma articulação com o osso zigomático, ou malar (osso da face).

A mandíbula inferior

As metades esquerda e direita do maxilar inferior, ou mandíbula, começam originalmente como dois ossos distintos, mas no segundo ano de vida os dois ossos se fundem na linha média para formar um só. A parte central horizontal de cada lado é o corpo da mandíbula. A parte superior do corpo é a margem alveolar, correspondente às margens alveolares do maxilar. O queixo saliente, na parte inferior do corpo na linha média, é dito ser uma característica distintiva do crânio humano. De ambos os lados do queixo está o forame mental, uma abertura para o ramo mental do nervo mandibular, a terceira divisão do quinto nervo craniano.

Mandíbula
Mandíbula

As partes ascendentes da mandíbula ao lado são chamadas de rami (ramos). As articulações por meio das quais a mandíbula inferior é capaz de fazer todos os seus movimentos variados estão entre um botão arredondado, ou côndilo, no canto superior posterior de cada ramo e uma depressão, chamada de fossa glenoidal, em cada osso temporal. Outra projeção, bastante acentuada no topo de cada carneiro e na frente, chamada processo coronoide, não faz parte de uma articulação. A ele está anexado o músculo temporal, que serve com outros músculos para fechar as mandíbulas. No lado interno do ramo de cada lado há uma abertura grande, obliquamente colocada em um canal, o canal mandibular, para nervos, artérias e veias.

O arco zigomático, formando o osso da face, consiste em porções de três ossos: o maxilar, na frente; o osso zigomático, centralmente no arco; e uma projeção do osso temporal para formar a parte posterior. O arco zigomático na verdade serve como uma firme origem óssea para o poderoso músculo masseter, que desce dele para inserir no lado externo da mandíbula. O músculo masseter compartilha com o músculo temporal e os músculos pterigóides lateral e medial a função de elevar a mandíbula a fim de trazer o inferior contra os dentes superiores, conseguindo assim uma mordida.

A espinha

A suposição de postura ereta durante o desenvolvimento da espécie humana levou a uma necessidade de adaptação e mudanças no sistema esquelético humano. A própria forma da coluna vertebral humana é devida a tais adaptações e mudanças.

A coluna vertebral

A coluna vertebral não é na verdade uma coluna, mas uma espécie de mola espiral na forma da letra S. O recém-nascido tem uma espinha dorsal relativamente reta. O desenvolvimento das curvaturas ocorre como as funções de suporte da coluna vertebral em humanos – isto é, segurar o tronco, manter a cabeça ereta, servindo de âncora para as extremidades – são desenvolvidas.

Coluna vertebral. Encyclopædia Britannica, Inc.
Coluna vertebral. Encyclopædia Britannica, Inc.

A curvatura em S permite que a coluna vertebral absorva os choques de andar sobre superfícies duras; uma coluna reta conduziria os choques de jarros diretamente da cintura pélvica até a cabeça. A curvatura atende ao problema do peso das vísceras. Em um animal erecto com uma coluna reta, a coluna seria puxada para frente pelas vísceras. Espaço adicional para as vísceras é proporcionado pelas concavidades das regiões torácica e pélvica.

A distribuição do peso de todo o corpo também é feita pela curvatura S. O setor superior carrega em grande parte a cabeça; o setor central carrega as vísceras torácicas, os órgãos e estruturas do tórax; e o setor inferior carrega as vísceras abdominais. Se a coluna fosse reta, a carga de peso aumentaria a partir da cabeça para baixo e seria relativamente grande na base. Finalmente, a curvatura em S protege a coluna vertebral da quebra. O arranjo de mola duplamente dobrada é muito menos vulnerável à fratura do que seria uma coluna reta.

A função protetora do esqueleto é talvez mais conspícua em relação ao sistema nervoso central, embora seja igualmente importante para o coração e pulmões e alguns outros órgãos. Um alto grau de proteção para o sistema nervoso é possibilitado pela relativamente pequena quantidade de movimento e expansão necessária pelas partes componentes deste sistema e por certas adaptações fisiológicas relacionadas à circulação, ao líquido cefalorraquidiano e às meninges, às coberturas do cérebro e da medula espinhal. O cérebro em si está bem fechado dentro do crânio tipo caixa. Compartilhando a proteção proporcionada pelo crânio está a hipófise ou hipófise.

A medula espinhal

Para a medula espinhal, com seus traços de fibras nervosas viajando de e para o cérebro, a colocação em relação à coluna vertebral é um pouco como a de uma vela em uma lanterna. Normalmente, há um espaço considerável entre o tecido nervoso e o tecido ósseo, espaço ocupado pelas meninges, pelo líquido cefalorraquidiano, e por uma certa quantidade de gordura e tecido conjuntivo. Na frente estão os centros pesados, ou corpos, das vértebras e os discos intervertebrais – as almofadas resistentes e resilientes entre os corpos vertebrais – enquanto que nas costas e nos lados o cordão é fechado e protegido pela porção de cada vértebra chamada arco neural. Entre os arcos neurais há folhas de tecido conjuntivo elástico, os ligamentos interlaminares ou ligamenta flava. Aqui alguma função de proteção tem que ser sacrificada por causa do movimento, porque uma flexão para frente de parte da coluna leva à separação entre as laminas e entre as espinhas dos arcos neurais das vértebras adjacentes. É através da ligamenta flava da região lombar inferior (a pequena das costas) que a agulha entra no espaço subaracnoideo no procedimento de punção lombar (punção espinhal).

Além de seu papel de apoio e proteção, a coluna vertebral é importante para a ancoragem dos músculos. Muitos dos músculos a ela aferrados estão dispostos, de fato, de modo a mover a própria coluna ou vários segmentos da mesma. Alguns são relativamente superficiais, e outros são profundos. Os grandes e importantes espinhos eretos, como o nome indica, sustentam a coluna vertebral erecta. Ela começa no sacro (o grande osso triangular na base da coluna vertebral) e passa para cima, formando uma massa muscular em cada lado das espinhas das vértebras lombares. Em seguida, divide-se em três colunas, subindo sobre as costas do tórax. Embora deslizamentos (tiras estreitas) do músculo sejam inseridos nas vértebras e costelas, ele não termina assim; novos deslizamentos surgem destes mesmos ossos e continuam até o pescoço até que uma das divisões, conhecida como longissimus capitis, finalmente chega ao crânio.

Pequenos músculos correm entre os processos transversais (projeções dos lados dos anéis neurais) das vértebras adjacentes, entre as espinhas vertebrais (projeções dos centros dos anéis), e do processo transverso à coluna vertebral, dando grande mobilidade à coluna óssea segmentada.

A função de ancoragem da coluna vertebral é de grande importância para os músculos que surgem no tronco, no todo ou em parte da coluna ou dos ligamentos a ela ligados, e que são inseridos nos ossos dos braços e pernas. Destes músculos, os mais importantes para os braços são o latissimus dorsi (puxando o braço para trás e para baixo e girando-o para dentro), o trapézio (girando a omoplata), o rhomboideus, e a escápula do elevador (levantando e baixando a omoplata); para as pernas, os músculos psoas (lombo).

A caixa torácica

A caixa torácica, ou cesta torácica, consiste das 12 vértebras torácicas (peito), das 24 costelas e do esterno ou esterno. As costelas são barras de osso curvadas e comprimidas, com cada costela sucessiva, desde a primeira, ou mais alta, ficando mais abertas em curvatura. O lugar de maior mudança na curvatura de uma costela, chamado seu ângulo, é encontrado a vários centímetros da cabeça da costela, a extremidade que forma uma articulação com as vértebras.

A caixa torácica
A caixa torácica

As primeiras sete costelas são ligadas ao esterno por cartilagens chamadas cartilagens costais; estas costelas são chamadas costelas verdadeiras. Das cinco costelas restantes, que são chamadas falsas, as três primeiras têm suas cartilagens costais ligadas à cartilagem acima delas. As duas últimas, as costelas flutuantes, têm suas cartilagens terminando no músculo da parede abdominal.

Através da ação de uma série de músculos, a caixa torácica, que é semi-rígida mas expansiva, aumenta seu tamanho. A pressão do ar nos pulmões é assim reduzida abaixo da pressão do ar externo, que se move rapidamente para os pulmões para restabelecer o equilíbrio. Estes eventos constituem inspiração (respirar). A expiração (expiração) é o resultado do relaxamento dos músculos respiratórios e do recuo elástico dos pulmões e dos ligamentos fibrosos e tendões ligados ao esqueleto do tórax. Um músculo respiratório importante é o diafragma, que separa o peito e o abdômen e tem uma origem extensa da caixa torácica e da coluna vertebral. A configuração das cinco costelas inferiores dá liberdade para a expansão da parte inferior da caixa torácica e para os movimentos do diafragma.

O Esqueleto Apendicular

Cinturão peitoral e cintura pélvica

As extremidades superior e inferior dos seres humanos oferecem muitos pontos interessantes de comparação e de contraste. Elas e seus componentes individuais são homólogos, ou seja, de origem e padrão comum no mesmo plano básico. Uma longa história evolucionária e profundas mudanças na função destes dois pares de extremidades levaram, no entanto, a diferenças consideráveis entre elas.

As cintas são aquelas porções das extremidades que estão mais próximas do eixo do corpo e que servem para conectar a extremidade livre (o braço ou a perna) com aquele eixo, seja diretamente, por meio do esqueleto, ou indiretamente, por meio de acessórios musculares. A conexão da cintura pélvica com o eixo do corpo, ou coluna vertebral, é feita por meio da articulação sacroilíaca. Nas superfícies contíguas do ílio (a parte posterior e superior do osso do quadril) e do sacro (a parte da coluna vertebral diretamente ligada ao osso do quadril) existem finas placas de cartilagem. Os ossos são encaixados de forma estreita e há massas irregulares de fibrocartilagem mais macia em locais que unem as cartilagens articulares; nas partes superior e posterior da articulação há fixações fibrosas entre os ossos. Na cavidade articular, há uma pequena quantidade de líquido sinovial. Ligamentos fortes, conhecidos como ligamentos anterior e posterior sacroilíacos e interósseos, ligam a cintura pélvica à coluna vertebral. Estes ligamentos fibrosos são os principais fatores limitantes do movimento da articulação, mas a condição, ou tônus, dos músculos desta região é importante para prevenir ou corrigir os problemas sacroilíacos que são de ocorrência comum.

A cintura pélvica consiste originalmente de três ossos, que se fundem no início da vida adulta e cada um deles contribui com uma parte do acetábulo, a cavidade profunda na qual a cabeça do fêmur, ou fêmur, é encaixada. A parte superior da cintura é o ilíaco; a parte anterior inferior, que se encontra com seu semelhante na linha média, é o púbis; e a parte posterior inferior é o ísquio. Cada osso isquial tem uma proeminência, ou tuberosidade, e é sobre estas tuberosidades que o corpo descansa quando sentado.

Pelve
Pelve
Anterior view of the hip and pelvis, showing attachment of ligaments to the femur, ilium, ischium, and pubis. Encyclopædia Britannica, Inc.
Anterior view of the hip and pelvis, showing attachment of ligaments to the femur, ilium, ischium, and pubis. Encyclopædia Britannica, Inc.

Os componentes da cintura da extremidade superior, a cintura peitoral, são a omoplata, ou omoplata, e a clavícula, ou clavícula. A cabeça do úmero, o osso longo da parte superior do braço, cabe na cavidade glenoidal, uma depressão na escápula. A cintura peitoral não está ligada à coluna vertebral por ligações ligamentares, nem há qualquer articulação entre ela e qualquer parte do eixo do corpo. A conexão é apenas por meio de músculos, incluindo o trapézio, os rombóides e a escápula do elevador, enquanto o serrato anterior conecta a escápula à caixa torácica. O alcance do movimento da cintura peitoral e, em particular, da escápula é enormemente maior do que o da cintura pélvica.

Anterior view of the bones of the right shoulder, showing the clavicle (collarbone), scapula (shoulder blade), and humerus (upper arm bone).
Encyclopædia Britannica, Inc.
Anterior view of the bones of the right shoulder, showing the clavicle (collarbone), scapula (shoulder blade), and humerus (upper arm bone). Encyclopædia Britannica, Inc.

Outro contraste, em termos de função, é visto na superficialidade da fossa glenoidal, em contraste com a profundidade do acetábulo. É verdade que o receptáculo para a cabeça do úmero é aprofundado até certo ponto por um lábio de fibrocartilagem conhecido como labrum glenoidal, que, como a estrutura correspondente para o acetábulo, ajuda a agarrar a cabeça do osso longo. A amplitude de movimento da extremidade superior livre é, no entanto, muito maior do que a da extremidade inferior. Com esta maior facilidade de movimento, há um risco maior de deslocamento. Por esta razão, de todas as articulações do corpo, o ombro é, na maioria das vezes, o local de luxação.

Ossos longos de braços e pernas

O úmero e o fêmur são ossos correspondentes dos braços e pernas, respectivamente. Embora suas partes sejam semelhantes em geral, sua estrutura foi adaptada a diferentes funções. A cabeça do úmero é quase hemisférica, enquanto que a do fêmur forma cerca de dois terços de uma esfera. Há um forte ligamento passando da cabeça do fêmur para fortalecer ainda mais e assegurar sua posição no acetábulo.

O pescoço anatômico do úmero é apenas uma leve constrição, enquanto o pescoço do fêmur é uma porção muito distinta, correndo da cabeça para encontrar o eixo em um ângulo de cerca de 125°. Na verdade, o colo do fêmur é uma parte do fêmur que se desenvolve e funciona como parte da haste. Todo o peso do corpo é dirigido através das cabeças femorais ao longo de seus pescoços e para a haste. A estrutura do osso dentro da cabeça e do pescoço e a parte superior da haste do fêmur faria crédito a um engenheiro que tivesse resolvido os problemas de suporte de peso envolvidos na manutenção da postura ereta.

Fêmur
Fêmur

O antebraço e a perna inferior têm dois ossos longos cada um. No antebraço estão o raio no lado do polegar do antebraço e o cúbito; na parte inferior da perna estão a tíbia (a tíbia) e a fíbula. O raio corresponde à tíbia e o cúbito à fíbula. A articulação do joelho não só é a maior articulação do corpo, mas também é talvez a mais complicada. Os ossos envolvidos nela, entretanto, são apenas o fêmur e a tíbia, embora o osso menor da perna, a fíbula, seja transportado nos movimentos de flexão, extensão e leve rotação que esta articulação permite. A fíbula muito fina está em algum momento em desenvolvimento fetal muito mais espessa em relação à tíbia do que no esqueleto do adulto.

Tíbia e fíbula da perna direita

No cotovelo, o cúbito forma com o úmero uma verdadeira articulação, na qual as ações são de flexão e extensão. Nesta articulação, uma grande projeção do cúbito, o olecrânio, encaixa-se na fossa olecrânica bem definida, uma depressão do úmero.

O raio é mais curto do que o cúbito. Sua característica mais distintiva é a cabeça espessa em forma de disco, que tem uma superfície superior suavemente côncava para se articular com a cabeça, ou capitulo, do úmero. A cabeça do raio é mantida contra o entalhe na lateral do cúbito por meio de um forte ligamento anular, ou em forma de anéis. Apesar de estar assim ligada ao cúbito, a cabeça do raio é livre para girar. medida que a cabeça gira, o eixo e a extremidade externa do raio são balançados em um arco. Na posição do braço chamada supinação, o raio e o ulna são paralelos, a palma da mão está voltada para frente e o polegar está afastado do corpo. Na posição chamada pronação, o raio e o cúbito são cruzados, a palma da mão está voltada para trás, e o polegar está ao lado do corpo. Não há ações da perna comparáveis à supinação e pronação do braço.

Ossos do braço, antebraço e ombro

Mãos e pés

O esqueleto do pulso, ou carpo, consiste em oito pequenos ossos do carpo, que estão dispostos em duas fileiras de quatro cada. O esqueleto do tornozelo, ou tarso, tem sete ossos, mas, por causa do ângulo do pé com a perna e da função que suporta o peso, eles estão dispostos de uma maneira mais complicada. O osso do calcanhar, dirigido para baixo e para trás, é o calcâneo, enquanto a “pedra-chave” do tarso é o talo, cuja superfície superior se articula com a tíbia.

Ossos da mão

No esqueleto dos braços e pernas, a porção externa é especializada e consiste de porções alongadas compostas de correntes, ou séries lineares, de ossos pequenos. Em um sentido evolutivo, estas porções externas parecem ter tido uma história complexa e, dentro da ancestralidade dos mamíferos humanos, ter passado primeiro por uma fase em que todos os quatro seriam “pés”, servindo como extremidades portadoras de peso, como em quádruplos em geral. Em segundo lugar, todos os quatro parecem ter se adaptado à vida arbórea, como nos primatas inferiores, os “quadrúpedes”. Terceiro, e finalmente, a assunção de uma postura ereta trouxe as porções distais das extremidades posteriores, agora inferiores, de volta ao papel de pés, enquanto as da frente, agora superiores, as extremidades desenvolveram notáveis poderes manipuladores e são chamadas de mãos. Em que lugar nos primatas um pé se torna uma mão é difícil dizer, e de fato poderia ser justificado falar de mãos em guaxinins, esquilos e alguns outros não reprimidos.

Ossos do pé

Nos humanos, os ossos metatarsais, os do pé propriamente dito, são maiores que os ossos correspondentes das mãos, os ossos metacarpianos. Os tarsais e metatarsais formam os arcos do pé, que lhe dão força e lhe permitem agir como uma alavanca. A forma de cada osso e suas relações com seus semelhantes são de molde a adaptá-lo para esta função.

As falanges – ossos do pé – têm bases relativamente grandes em comparação com os ossos correspondentes da mão, enquanto os eixos são muito mais finos. As falanges médias e externas do pé são curtas em comparação com as dos dedos. As falanges do dedo grande do pé têm características especiais.

A mão é um instrumento para movimentos finos e variados. Nelas, o polegar com seu esqueleto, o primeiro metacarpo e as duas falanges, é extremamente importante. Seus movimentos livres incluem – flexão lateral, extensão, abdução (capacidade de afastar o primeiro dedo) e adução (capacidade de avançar os dedos), que são exercidos em graus variados pelo dedo grande do pé também – uma ação única, a de oposição, pela qual o polegar pode ser atravessado ou oposto à palma da mão e às pontas dos dedos ligeiramente flexionados. Este movimento forma a base para o manuseio de ferramentas, armas e instrumentos.

Referências

Britannica.com | Human skeleton

Veja também

Comentários

Deixe uma resposta

Posts populares

Pesquisadores criam águas-vivas biônicas que nadam mais rápido e com mais eficiência

Os engenheiros da Caltech e da Universidade de Stanford desenvolveram uma prótese minúscula que permite que a água-viva nade mais rápido e de maneira...

Chimpanzés também merecem o dia das mães

O garoto de quatro anos choramingou enquanto seguia a mãe para longe dos companheiros de brincadeira; uma breve birra não conseguiu convencê-la a ficar...

Nova pesquisa mostra que a adolescência também é irritante para cães

Uma nova pesquisa liderada por cientistas da Universidade de Newcastle e da Universidade de Nottingham mostrou que o comportamento típico dos adolescentes não ocorre...