“Visão de pixel único”: Descoberta em peixes revela pistas de como os humanos podem detectar pequenos detalhes

Artigos relacionados

Em um artigo publicado esta semana, pesquisadores da Universidade de Sussex descobriram que o peixe-zebra é capaz de usar um único fotorreceptor para detectar suas pequenas presas.

Esse fotorreceptor é como um ‘pixel ocular’ e parece fornecer um sinal suficiente para o peixe ir e investigar o estímulo.

O professor Tom Baden e seus co-autores acreditam que isso poderia fornecer informações sobre como os animais, incluindo os humanos, são capazes de processar pequenos detalhes em seu ambiente.

O professor de neurociência Tom Baden disse: “Os peixes-zebra têm o que é conhecido como uma ‘zona aguda’ nos olhos, o que é basicamente um precursor evolutivo da fóvea que temos na retina. Tanto na zona aguda do peixe-zebra quanto na fóvea humana, a acuidade visual é mais alta.

Cena subaquática do ponto de vista dos peixes, vista com espectro visível para o ser humano (esquerda) e com visão UV (direita). As presas de peixe-zebra (paramecia) se destacam prontamente no vídeo UV como pontos brilhantes em movimento.“Devido a essa semelhança, o peixe-zebra é realmente um bom modelo para nos ajudar a entender como o olho humano pode funcionar.

“Descobrimos que, nessa zona aguda, o peixe-zebra está usando fotorreceptores únicos para localizar suas presas minúsculas – o equivalente a vermos uma estrela no céu. Esses fotorreceptores são um pouco parecidos com pixels – mas são pixels ‘especiais’: foram especificamente ajustados para serem sensíveis a estímulos semelhantes a presas.”

“Houveram sugestões de que primatas e, portanto, humanos também usem truques semelhantes para melhorar nossa própria visão foveal”.

O artigo, publicado na revista Neuron, também revela como o peixe-zebra é capaz de ver a luz UV e usar ativamente a visão UV para ver suas presas.

O professor Baden acrescentou: “Esta é efetivamente uma super visão”.

“A presa de peixe-zebra é realmente difícil de ver com a visão humana, que varia de ‘vermelho’ a ‘azul’. No entanto, além do azul, o peixe-zebra também pode ver os raios UV, e suas presas são facilmente identificadas quando iluminadas com o componente UV sob a luz solar natural. Nossa pesquisa descobriu que sem a visão UV, o peixe-zebra tem mais dificuldade em identificar suas presas.”

Embora os humanos não possuam essa habilidade, as semelhanças entre a zona aguda do peixe-zebra e a nossa própria fóvea forneceram aos pesquisadores um modelo para investigar melhor como nossos olhos funcionam e como podemos ver com detalhes tão altos.

Agora, os cientistas têm a possibilidade de manipular funções visuais na zona aguda do peixe-zebra para ver como isso afeta o senso de visão. Esses tipos de testes não são possíveis em humanos, pois fazê-los em peixes fornecerá aos pesquisadores novas ideias sobre a função e disfunção da visão de extrema acuidade espacial.

Referência: “Especializações em fotorreceptores semelhantes a fóveas sustentam o comportamento de captura de presas com cone UV único em peixe-zebra” por Takeshi Yoshimatsu, Cornelius Schröder, Noora E Nevala, Philipp Berens e Tom Baden, 29 de maio de 2020, Neuron.
DOI: 10.1101 / 744615

Fonte: scitechdaily.com

Veja também

Comentários

Deixe uma resposta

Posts populares

Pesquisadores criam águas-vivas biônicas que nadam mais rápido e com mais eficiência

Os engenheiros da Caltech e da Universidade de Stanford desenvolveram uma prótese minúscula que permite que a água-viva nade mais rápido e de maneira...

Algoritmos de computador encontram ‘pontos fracos moleculares’ dos tumores

Em 2016, os médicos convidaram Eileen Kapotes para participar de um ensaio clínico de um medicamento que nunca havia sido usado para sua doença....

Cobras-do-mar foram modificadas geneticamente para enxergar em baixo d’água por 15 milhões de anos

As cobras marinhas entraram no ambiente marinho pela primeira vez há 15 milhões de anos e vêm evoluindo desde então para sobreviver nas mudanças...